Perturbações do Comportamento Alimentar num Ambulatório Pediátrico: O Impacto da DSM-5

  • Rita Moinho Hospital Pediátrico - Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra
  • Inês Dias Centro Hospitalar Leiria-Pombal
  • Alexandra Luz Centro Hospitalar Leiria-Pombal
  • Pascoal Moleiro Centro Hospitalar Leiria-Pombal

Abstract

Introdução: As perturbações do comportamento alimentar têm início habitualmente na adolescência e podem cursar com graves
lesões multiorgânicas e mortalidade não desprezível. O objetivo deste trabalho foi caracterizar adolescentes seguidos em
consulta por perturbações do comportamento alimentar e comparar a distribuição desta patologia de acordo com o Diagnostic
and Statistical Manual of Mental Disorders, quarta (DSM-IV) e quinta (DSM-5) edições.

Métodos: Estudo observacional descritivo e analítico com colheita retrospetiva de dados. Consultado o processo clínico
dos adolescentes seguidos em consulta por perturbações do comportamento alimentar (2005-2012). Foi analisada a idade,
sexo, somatometria, satisfação corporal, distorção da imagem corporal, comportamentos alimentares e compensatórios.
Comparou-se o tipo de perturbações do comportamento alimentar conforme o DSM-IV e com os critérios atuais do DSM-5.

Resultados: Obteve-se uma amostra de 73 adolescentes, 86% do sexo feminino, com idade média de 14,7 ± 1,7 anos. O índice de
massa corporal mínimo médio foi 18,5 ± 2,9 kg/m2 nas raparigas e 18,2 ± 2,3 kg/m2 nos rapazes. Do total da amostra, apresentavam
insatisfação corporal 88% dos adolescentes, 63% não tinham antecedentes de excesso de peso / obesidade, dos quais 63%
tinham distorção da imagem corporal. A restrição alimentar ocorreu em 99% e 16% admitiram compulsão alimentar. Dois terços
dos adolescentes realizavam algum comportamento compensatório, sendo o mais frequente o aumento da atividade física (59%).
Com os atuais critérios do DSM-5 verificou-se um aumento dos casos de anorexia nervosa (29 vs 60%; p < 0,001) e diminuição das
perturbações do comportamento alimentar sem outra especificação (64% vs 7%; p < 0,001), sem alteração dos casos de bulimia nervosa
(7%). Dos novos diagnósticos DSM-5, houve um caso (1%) com perturbação de compulsão alimentar e 25% com anorexia atípica.

Conclusões: Numa amostra de adolescentes com perturbações do comportamento alimentar, os critérios da DSM-5 levaram a
uma diminuição substancial dos casos de perturbações do comportamento alimentar sem outra especificação, em detrimento
do aumento dos casos de anorexia nervosa (específica e atípica). Esta caracterização das perturbações do comportamento
alimentar é melhor e mais vantajosa, permitindo maior precisão terapêutica e prognóstica.

Downloads

Download data is not yet available.
Published
2016-03-01
Section
Original articles