Doppler transcraniano na monitorização do traumatismo craniencefálico grave em Pediatria

Authors

  • Filipa Vieira Hospital de São Francisco Xavier - Centro Hospitalar Lisboa Ocidental
  • Kátia Cardoso Hospital de Santa Maria – Centro Hospitalar Lisboa Norte
  • Francisco Abecasis Hospital de Santa Maria – Centro Hospitalar Lisboa Norte
  • Paulo Batista Hospital de Santa Maria – Centro Hospitalar Lisboa Norte
  • Leonor Boto Hospital de Santa Maria – Centro Hospitalar Lisboa Norte
  • Sofia Quintas Hospital de Santa Maria – Centro Hospitalar Lisboa Norte
  • Manuela Correia Hospital de Santa Maria – Centro Hospitalar Lisboa Norte

DOI:

https://doi.org/10.25754/pjp.2012.1221

Abstract

Introdução e Objectivos: A hipertensão intracraniana é uma complicação grave do traumatismo craniencefálico, associando-se a um prognóstico desfavorável. A monitorização da pressão intracraniana (PIC) requer um procedimento invasivo. Este estudo teve como objetivo analisar a utilidade do Doppler transcraniano na avaliação dos doentes com traumatismo craniencefálico grave.

Métodos: Estudo observacional prospetivo, realizado entre agosto de 2008 e março de 2012 numa unidade de cuidados intensivos pediátricos, de um hospital universitário de nível III, centro de referência de neurotrauma. Amostra consecutiva de doentes admitidos com traumatismo craniencefálico grave e submetidos a monitorização invasiva da PIC com avaliação simultânea por Doppler transcraniano. Análise da relação entre a PIC e o índice de pulsatilidade (IP), determinado por Doppler transcraniano, e entre estas duas variáveis e as sequelas neurológicas.

Resultados: Foram avaliados dezoito doentes, com média de idade de 8,7 anos (14 meses - 17 anos). A mortalidade foi de 11,1% (2/18), sendo a mortalidade previsível, calculada através da escala pediatric risk of mortality, de 28,2%. Em dezasseis doentes registaram-se valores de PIC superiores a 20 mmHg, com média de valor máximo de 35,7±11,2 mmHg. A média da primeira determinação do IP foi de 1,12±0,33. Houve uma correlação significativa entre a primeira determinação do IP e a PIC correspondente (coeficiente de correlação de Pearson r=0,755, p<0,0001). Quando considerados todos os IP determinados (42 avaliações), a correlação manteve-se significativa (r=0,573; p<0,0001). Não se encontrou associação significativa entre o IP ou a PIC e as sequelas neurológicas.

Conclusões: Os resultados deste estudo sugerem que é possível identificar situações de hipertensão intracraniana através do IP determinado por Doppler transcraniano em crianças com traumatismo craniencefálico grave, evidenciando o papel promissor desta técnica. São necessários mais estudos para que seja validada e incluída de forma mais generalizada na avaliação e orientação terapêutica do traumatismo craniencefálico.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Filipa Vieira, Hospital de São Francisco Xavier - Centro Hospitalar Lisboa Ocidental

Serviço de Pediatria

Kátia Cardoso, Hospital de Santa Maria – Centro Hospitalar Lisboa Norte

Departamento de Pediatria

Francisco Abecasis, Hospital de Santa Maria – Centro Hospitalar Lisboa Norte

Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos, Departamento de Pediatria

Paulo Batista, Hospital de Santa Maria – Centro Hospitalar Lisboa Norte

Laboratório de Hemodinâmica Cerebral

Leonor Boto, Hospital de Santa Maria – Centro Hospitalar Lisboa Norte

Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos, Departamento de Pediatria

Sofia Quintas, Hospital de Santa Maria – Centro Hospitalar Lisboa Norte

Unidade de Neuropediatria, Departamento de Pediatria

Manuela Correia, Hospital de Santa Maria – Centro Hospitalar Lisboa Norte

Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos, Departamento de Pediatria

Published

2013-06-13

Issue

Section

Original articles