Podem as escalas preditivas de mortalidade ser utilizadas para prever a ocorrência de sequelas nos sobreviventes de cuidados intensivos?

Authors

  • Paulo Oom

DOI:

https://doi.org/10.25754/pjp.2006.4804

Abstract

Introdução: Não existem disponíveis escalas capazes de prever a ocorrência de sequelas nos sobreviventes de cuidados intensivos.

Objectivos: Foram objectivos deste estudo avaliar o desempenho das escalas preditivas de mortalidade na previsão da ocorrência de sequelas nas crianças que sobrevivem ao internamento em unidades de cuidados intensivos. 

Métodos: Estudo prospectivo que decorreu numa unidade de cuidados intensivos de pediatria de um hospital universitário durante um período de 21 meses. 

Resultados: Foram internadas 625 crianças com uma mortalidade de 5,3%. As escalas Pediatric Risk of Mortality (PRISM), Pediatric Index of Mortality (PIM), Pediatric Overall Performance Category (POPC) e Pediatric Cerebral Performance Category (PCPC) foram obtidas em todas as crianças. As escalas PRISM e PIM mostraram um bom desempenho na previsão da mortalidade (SMR de 0,90 e1,03; AUC de 0,91 e 0,92 para PRISM e PIM, respectivamente). Na previsão da ocorrência de sequelas físicas ou cognitivas, ambas as escalas mostraram um mau desempenho, com AUC sempre inferior a 0,81.

Conclusões: As escalas preditivas de mortalidade actualmente em uso nas unidades de cuidados intensivos pediátricos não apresentam uma capacidade discriminativa aceitável para a previsão de sequelas físicas ou cognitivas após a alta. 

Palavras-chave: Cuidados intensivos pediátricos, mortalidade, morbilidade, PRISM, PIM.

Downloads

Download data is not yet available.

Issue

Section

Original articles

Most read articles by the same author(s)

1 2 > >>