Diabetes relacionada com Fibrose Quística: o valor da monitorização contínua da glicose versus prova de tolerância à glicose oral

Authors

  • Marta Santalha Serviço de Pediatria do Centro Hospitalar do Alto Ave - Guimarães
  • Telma Barbosa Serviço de Pediatria do Centro Hospitalar do Porto
  • Brígida Amaral Serviço de Pediatria do Centro Hospitalar do Porto
  • Teresa Borges Unidade de Endocrinologia Pediátrica do Serviço de Pediatria do Centro Hospitalar do Porto
  • Luís Ribeiro Serviço de Pediatria do Centro Hospitalar do Porto
  • Maria João Oliveira Unidade de Endocrinologia Pediátrica do Serviço de Pediatria do Centro Hospitalar do Porto
  • Helena Cardoso Unidade de Endocrinologia Pediátrica do Serviço de Pediatria do Centro Hospitalar do Porto
  • Vírgilio Senra Serviço de Pediatria do Centro Hospitalar do Porto
  • Herculano Rocha Serviço de Pediatria do Centro Hospitalar do Porto

DOI:

https://doi.org/10.25754/pjp.2014.3213

Abstract

A diabetes é uma importante complicação da fibrose quística (FQ) e se não tratada, condiciona deterioração do estado nutricional e pulmonar.

Objetivo e métodos: Avaliar o perfil de glicose dos doentes com FQ seguidos num centro pediátrico terciário, através do sistema de monitorização contínua da glicose (MCG); comparar com os resultados obtidos na prova de tolerância à glicose oral (PTGO) e doseamento da HbA1c.

Critérios de exclusão: idade inferior a dez anos, terapêutica imunossupressora, corticoterapia sistémica, transplantados ou com o diagnóstico já estabelecido de diabetes.

Resultados: Foram incluídos nove doentes, cinco do sexo masculino, com idade média de 14,8 anos. A mutação ?F508 em homozigotia estava presente em três casos. A PTGO foi normal em oito casos, sendo que num caso revelou anomalia da glicemia em jejum. O valor médio da HbA1c foi de5,4 + 0,3% [5,1-5,9%]. Na MCG o valor médio global da glicose, da glicose mínima e máxima foi de 102,7+ 8,2 mg/dl, 63,2+ 13,7 mg/dl e 164,5+ 27 mg/dl, respetivamente. Verificaram-se picos de glicose superiores a 140 mg/dl em sete doentes, um dos quais superior a 200 mg/dl. Em cinco doentes ocorreram hipoglicemias assintomáticas.

Conclusão: A maioria dos doentes obteve um perfil de glicose durante a MCG com valores inferiores a 200mg/dl. Contudo, observaram-se valores patológicos em mais de metade dos casos. As hipoglicemias assintomáticas encontradas no estudo podem refletir uma secreção inapropriada de insulina. Os autores consideram que a MCG permite um melhor diagnóstico de distúrbios da glicose nos doentes com FQ, comparativamente à PTGO.

Downloads

Download data is not yet available.

Published

2014-09-05

Issue

Section

Original articles

Most read articles by the same author(s)

<< < 1 2