Uso profilático de anti-histamínicos na dermatite atópica. Revisão baseada na evidência.

  • Tiago Maricoto Centro de Saude de Aveiro - UCSP Aveiro I
  • Eurico Silva Centro de Saude de Aveiro - UCSP Aveiro I

Abstract

Introdução: A dermatite atópica é uma dermatose inflamatória crónica e recorrente muito frequente nas crianças em que o prurido tem um papel muito importante na perpetuação das lesões cutâneas. Os anti-histamínicos são úteis no controlo das lesões agudas mas o seu uso profilático por via oral no controlo e redução das exacerbações não é consensual. O objectivo deste estudo foi rever sistematicamente a evidência disponível sobre o benefício do seu uso de forma profiláctica nas agudizações de dermatite atópica em crianças.
Métodos: Pesquisa na base de dados MEDLINE de publicações até Maio de 2012 com os termos MeSH “dermatite atopica” e “antagonistas da histamina”. Para atribuição da força de recomendação considerou-se a escala Strength of Recommendation Taxonomy (SORT) da American Family Physician.
Resultados: Foram selecionadas duas recomendações, uma revisão sistemática e dois estudos prospectivos, aleatorizados e duplamente ocultados (RCTs).
Discussão e Conclusão: A revisão sistemática e as recomendaçõess encontradas não mostram evidência suficiente que apoie o uso de anti-histamínicos orais de forma profiláctica (SORT A), podendo no entanto, em casos gravess e com prurido intenso, realizar-se uma prova terapêutica durante um mês (SORT B). Os RCTs encontrados concluem que apenas existe eficácia e segurança da cetirizina na prevenção das agudizações de dermatite atópica (SORT B). A evidência encontrada não recomenda a utilização dos anti-histamínicos orais de forma profilática em casos ligeiros e moderados (SORT A). Em casos graves e com prurido intenso poderá realizar-se uma prova terapêutica durante um mês, havendo evidências que mostram eficácia na utilização da cetirizina (SORT B).

Downloads

Download data is not yet available.
Published
2013-06-26
Section
Review articles